quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Grades

Eu quero abraçar o mundo, mas os meus braços estão fracos.
De tanto segurar o que nunca me pertenceu.
Sinto que eu nunca vivi para mim, apenas para quem quisesse um pouco de força.
Abracei tantas causas, tantos amores..
Para depois, me restarem apenas as dores...
De dor em dor os braços fraquejaram.
Fracassaram.
Não para os outros, mas para mim.
Eu mesma criei uma grade e não consigo mais sair.
Da janela, o mundo me observa e me chama para seguir, para abraçá-lo.
E eu me pergunto, se ainda tenho forças para romper as grades, se os meus braços ainda suportam tanta insatisfação.
Da minha emoção.
Do meu... Coração.