sábado, 23 de julho de 2016

A carta (para ela) #4

(...)   Bem, seis anos se passaram da última vez que nos falamos. O seu orgulho também falou mais alto do que o amor que você sentia por mim, pois também se silenciou. Mas, tudo bem. Agora não é hora de se lamentar, escrevo para pedir desculpas e dizer o quanto te amei e ainda amo e sei que faço isso pelas circunstâncias que se apresentam para mim.

   Hoje à noite eu parto para o Paquistão, vou como médico na missão de paz que o Brasil está participando. É claro que não era o meu desejo ir e sei de todos os riscos que vou correr, além de tudo que deixo aqui no país, sinto que estou deixando o meu coração e não são de familiares, amigos ou coisas que estou me referindo, mas sim de você.
   Eu passarei a princípio, dois anos nos campos de refugiados. Eu não sei se está noiva, casada ou se já é mãe. Mas, antes de partir eu precisava te dizer que o meu amor por você ainda é o mesmo e que nossa separação foi um grande erro e que é minha culpa que hoje não estejamos juntos... (continua)