segunda-feira, 13 de junho de 2016

O meu lado doce

Eu sou o excesso de pensamentos na ausência das palavras.
Jamais saberei quando tudo começou a fugir.
Sempre atenta e a língua afiada.
Jamais perdia uma discussão acalorada.
Riso fácil, totalmente disponível.
Para todos os momentos existentes.
Até que eu precisei de alguém.
Olhei para os lados e a companhia me faltava.
Em compensação a indiferença, sobrava.
Justo eu, que tanto acolhi.
No momento mais difícil, eu me perdi.
Jamais fui encontrada.
Ninguém se importou com a minha ausência.
Quando eu voltei, não era a mesma.
Por fora, tudo era igual.
Mas por dentro, não sei calcular o quanto eu sofri.
Eu mudei.
Esfriei, congelei as mãos quentes a me apoiar..
Fui comparada ao passado.
Era o meu passado, mas o presente em nada parecia.
Repito, eu muito sofri.
Sentem falta daquele doce de pessoa.
Pois onde chegava, se enchia de alegria.
E quando me perguntarem do meu lado doce.
Responderei: eu comi.