quinta-feira, 19 de maio de 2016

Criança feliz

Hoje eu acordei cedo, chovia e fazia muito frio e eu não tinha nada para fazer, além de ficar deitada quietinha brigando mentalmente com o meu despertar... Por que não me acordou mais tarde?
Mas o som da chuva é sedutor, te faz querer prestar atenção mais e mais, a ponto de adormecer novamente, só que isso não aconteceu comigo.
Foi nesse momento de reflexão sobre o cobertor, que eu me lembrei da minha infância, onde eu arrastava o cobertor (para a felicidade da minha mãe) até a sala, ligava a televisão e me jogava no sofá, com uma xícara de leite bem quentinho, esperando a sessão de desenhos começar.
Tal lembrança me fez rir e deu vontade de repetir esse momento.
Hoje eu não arrasto mais o cobertor pela casa e nem me empolgo com os desenhos da mesma forma que eu fazia, e me senti uma criança desajeitada, que mal cabia no sofá, como era antigamente.
Mas eu fiquei encolhidinha ali, da mesma forma que eu fazia, porque eu encontrei a melhor forma de começar o dia.