quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

Da bagunça

Algumas pessoas saem das nossas vidas pensando que a porta estará sempre aberta, ou que vai encontrar tudo da mesma forma que deixou.
Na verdade as coisas continuam lá, mas em posições diferentes.
O que era essencial, torna-se banal e a presença já não faz diferença.
É difícil reorganizar a bagunça deixada por quem partiu, mas é reconfortante não sentir falta daquilo que julgávamos ser essencial.
Tudo muda, tudo fica diferente ao nosso redor, na nossa mente.
E, principalmente, dentro da gente.