sábado, 31 de outubro de 2015

Das consequências

Eu não sei disfarçar.
Tampouco fingir.
Talvez eu tenha cansado.
De tanto insistir.
Quando algo se rompe, vem aquela frustração.
E depois o alívio, de se livrar da pressão.
De ser legal.
De estar disponível.
De fazer todas as vontades alheias.
E você descobre.
Que não pode sofrer.
Que não pode querer.
Que deve apenas satisfazer.
O tempo passou e eu cheguei a uma simples conclusão.
Todos somos livres, cada um com a sua opinião.
E isso tudo pra mim não faz diferença.
Pois a forma como falamos e agimos, não nos livra das consequências.